domingo, 18 de outubro de 2009

Bandida!


Ela era uma pessoa de bem. Era. Uma pessoa de posses. Muitas. Não precisava, absolutamente, fazer nada daquilo.

Aconteceu há cerca de um ano, mas ainda hoje circulam comentários aqui e ali. Tudo meio velado, afinal, ela gastou fortunas para abafar a história, que, por um milagre ou vários$ dele$, não vazou para a imprensa... em compensação nas altas rodas... sabem como é socialite!


Tudo começou quando ela então resolveu abandonar a esteira, a bicicleta e o total-shape para entrar numa dieta daquelas que deixaria até uma anorexica com fome. Era uma tal de dieta do conta-gotas. Já dá para imaginar no que consiste, pois não?! Pois é... todas as 'refeições' deveriam ser dosadas por um conta-gotas: 10 gotas no café da manhã, 5 no almoço, 2 e 1/2 no jantar.


Ela ficou animadíssima... nos primeiros 2 dias. No terceiro já estava tendo vertigens e sonhando com comida. Acordava mastigando o travesseiro. Pensou em parar, maaaaaaaaaaaas já havia espalhado a notícia de que estava fazendo a tal dieta para toooooodas as meninas do clube e não poderia/quereria decepcioná-las. Bom, na verdade, ela não estava a fim de dar o braço a torcer, afinal, tooooodas disseram que ela estava louca e tal e tal.


Foi numa dessas madrugadas de pura fome que ela teve a grande ideia: ninguém precisa saber que parou a dieta, oras gotas... digo, bolas! Na frente de todos continuaria com o conta-gotas, mas na surdina, na calada da noite, ela mandaria ver na geladeira.


E foi assim que começou sua vida de crimes. Ela se tornou uma assaltante de geladeiras. Começou com a geladeira da própria casa. Levantava-se de madrugada, esgueirava-se pelos corredores, descia escadas... tudo mais silenciosamente que um gato. O marido que tinha um sono de pedra, nem fazia ideia do que acontecia enquanto dormia: verdadeiros banquetes! Nas manhãs seguintes a empregada chamava a patroa para delatar o patrão. Lógico! Só podia ser ele, afinal a patroa estava na dieta do Zé-Gotinha. Ela pedia que a empregada não falasse nada com o marido, que deixasse que ela mesma conversaria com ele. E assim foi até que...


Cansada da vida de assalatar a própria geladeira, resolveu que precisava de mais adrenalina: passou a assalatar a geladeira das casas das amigas! Descobriu uma habilidade que nunca sonhara, um talento. Era uma assalatante virtuosa, habilidosa. Não deixava pistas, não deixava rastros, não deixava migalhas. Era capaz de entrar e sair de uma cozinha sem que nem mesmo a empregada ali presente se desse por sua presença. Um bolo confeitado na geladeira, num instante, numa piscada, não estava mais ali! Ela chegou até mesmo a pensar que se não fosse milhonária poderia ficar assaltando bancos! Mas as geladeiras eram seu alvo, seu objetivo, seu desejo maior!


As amigas estranhavam apenas o fato da amiga ter ganhado 30 quilos nos 2 meses de dieta. Ela, a essa altura dos acontecimentos, nem se lembrava mais que almejava um manequim 36... estava obsecada... tinha virado uma bandida! Estava fora de controle.


Sua vida de crimes só terminou quando foi descoberta. Foi terrível. Uma amiga, que era fã de CSI, passou a desconfiar do sumiço das compotas em sua casa... a empregada não poderia ser, afinal, a pobrezinha era diabética desde que nasceu e não tinha tendência suicida, o marido muito menos, ele detestava doces... um trauma de infância que não vem ao caso, os filhos não comiam frutas nem que estivessem envoltas em quilos de açúcar. Para desvendar o mistério, equipou a cozinha com dezenas de câmeras... tinha inclusive uma de visão noturna.


Foi numa das reuniões das amigas que a detetive deu o flagra na amiga bandida. Colocou as imagens da cozinha em sua tv de plasma de 88 polegadas, em HD, para todas as outras assistirem. Foi quando viram, numa fração de segundos a amiga que carregava o conta-gotas enfiar uma compota de jaca guela abaixo, com calda e tudo! Um escândalo!


A dona da compota ameaçou chamar a polícia, a imprensa, um padre exorcista, mas ficou penalizada ao ver a amiga-bandida implorar aos prantos que não o fizesse. Jurou que não faria mais aquilo, que passaria a se alimentar direito, que iria procurar uma nutricionista. Aceitou. As outras amigas também juraram, de dedinhos cruzados, claro, que não tocariam mais no assunto, em troca de algun$ mimo$.


E assim foi. Hoje, passados meses do último assalto a uma geladeira, ela voltou ao peso de antes e nunca mais abriu uma geladeira que não fosse sua. Assaltos?! Nunca mais... pelo menos não a geladeiras... hoje ela bate carteiras na Praça da Sé e na 25 de março... só para se distrair... a terapeuta indicou que ela fizesse alguma atividade para que não pensasse em comida o tempo todo... ela então resolveu explorar seu talento descoberto. Putz!


2 comentários:

Hugo Zanardi disse...

Tem um selo pra você no Cartas... bjooooooooooooo (primeira pessoa que pensei em indicar, se sombra de dúvidas)

Professor Xavier disse...

Muito bom!!! Estou com a barriga doendo de tanto rir. Parabéns.
Diogo Xavier