domingo, 4 de outubro de 2009

Se você não quer, eu quero!


Sábado super família: visita da tia, duas primas e o filhinho de 6 anos de uma das primas. Papo vai, papo vem, resolvi fazer um bolo frapê para acompanhar o café.

Fui para a cozinha e enquanto preparava o bolo, percebi dois olhinhos vidrados em mim. Meu priminho me observava com olhos curiosíssimos. Perguntei se ele gostava de bolo frapê. Ele fez cara de ponto de interrogação. Concluí que 'frapê' era algo complexo demais para o vocabulário de menos de uma década do garotinho, então simplifiquei dizendo que era um bolo metade branco metade preto. Meio desconfiado e tentando entender, ele perguntou se era metade chocolate branco, metade chocolate preto. Hummm, quase isso! Eu disse que era um bolo misto: baunilha e chocolate preto... tipo a casquinha do Mc, saca?! Ele sacou!

Assim que coloquei o bolo no forno, peguqi uma colher na gaveta e já ia me preparando para raspar o restinho de massa da tigela (...sim, sim... faço isso até hoje!), mas, com uma criança presente, seria uma tremenda grosseiria não ceder a vez.

Educadamente, abri mão da tigela em favor do meu priminho:

- Lucas, quer lamber a tigela do bolo?!

Ele, com a cara mais espantada do mundo:

- Que que é isso?!

- O quê?! Como assim?! Você não briga com a sua mãe para comer o restinho de massa que fica na tigela do bolo?!

- Não!

- Lucas, olha pra mim e responde: você nunca lambeu a tigela do bolo?!

- Não!

Indignei-me. Chamei minha prima, mãe dele, na hora:

- Você não está criando esse menino direito!

Imaginando algo terrível que o filho tivesse feito:

- O que foi que esse menino aprontou?!

- Nada. Ele nada. Você é que está aprontando com ele! Eu acabo de oferecer a ele a honra de lamber a tigela do bolo e foi como se eu tivesse falado grego... ele não faz ideia do que eu estava falando! Você não dá a tigela pra ele lamber?!

- Não... é que eu não faço bolo em casa.

Deus, Deus, Deus, como isso é possível?! N qualidade de prima de 2° grau, adulta e experiente, me senti na obrigação de explicar àquela pobre criancinha a graça, beleza e genialidade do ritual da tigela do bolo.

Comecei dizendo que quando era criança, eu e minha irmã disputávamos esse troféu a tapas, para que ele pudesse sentir o grau de importância da coisa! Então, peguei uma colher, raspei a massa crua e molenga do fundo da tigela da batedeira e fui levando até a boca dele. À princípio, ele recusou. Entendi, afinal, era novidade demais para um único dia: os bolos não nascem prontos, existe um bolo mutante metade branco, metade preto e, ainda por cima, a gente deve comer a massa crua que sobra! Dei uma insistidinha de leve (!). Ele então aceitou.

Assim que recebeu o presente na boca, sabem qual foi a reação do molequinho?! Quase cuspiu! Mas engoliu fazendo cara de nojinho!

Estou chocada até agora! Como pode?! Como isso é possível?! Temo pelo futuro de nossas criancinhas...

Maaaaas, já que ele não quis, eu quis! Degustei o restinho de massa crua enquanto pensava no futuro da humanidade.

Ah! só para constar, ele a-do-rou comer bolo quente!! Outra novidade para ele!

6 comentários:

Carol disse...

Fabi, adorei a história. Aqui em casa são 4 na disputa, eu, minha mãe, minha filha e meu filho, ve se pode. Ainda bem que o Lucas tem uma tia gourmet. Beijão

Andreia Ruiz disse...

Fa, como sempre não me contenho e tenho que comentar!!!! seguidora fiel...viu..kkke amiga fiel....hehe 1º meu filhote tb acho que nem sonha como os bolos surgem pois não faço esse tipo de coisa em casa..uia..mais o futuro esta preocupante...logo crianças não rasparam nem panela de brigadeiro....isso é um crime contra a sociedade!!!!

Bjs

Bianca Zoca disse...

e o maldito pão-duro? não sei se todo mundo chama assim aquela espátula usada para tirar todo e qualquer restinho da massa na tijela. Minha mãe usava muito(em confeitaria não se pode ter desperdício menina!)eu odiava, nao sobrava nada para eu raspar!
ah, olha este testezinho
http://istoe.terra.com.br/planetadinamica/produtos/teste_come/index.asp

bjos

Ricardo disse...

Fabi, o restinho da massa de bolo não tem muita crise não. Mas quando eu faço torta de chocolate, as minhas filhas ficam em cima da tigela de recheio "antes-durante-e-depois" do preparo.

Se eu desgrudo os olhos da tigela um segundo sequer, não sobra para encher a torta!

:D

Fabi.Catarse!! disse...

Carol, não diria gourmet, mas gourmand, com certeza!! hehehehe Mas quanta gente pra disputar a tigela... se a família aumentar já já você terá de fazer duas receitas: uma pra assar e outra para comer crua!! kkkkkk
.
Andreia Ruiz, Andreia Ruiz... que que você anda fazendo com meus sobrinhos?! Tô vendo que a tia Fabi vai ter de convidar a turminha pra se aventurar na cozinha, heim?! Já pensou o Felipe me ajudando a fazer bolo?! Vai ter massa até no teto!!! hehehehe
.
Bianca... o pão-duro... ó... até tenho, mas só uso pra massas de torta salgada, cremes e coisas afins... a massa de bolo despejo na fôrma e 'raspo' com o fuet... de propósito... pra sobrar mais!!! hehehehe É minha querida, a vida adulta, a independência, a autonomia sobre a massa do bolo tem lá suas vantagens!!! Ah! Quando era crianaça, teve uma vez que eu e minha irmã escondemos o pão duro pra minha mãe não usar e sobrar mais massa!!! kkkkkkkkkkk
.
Ricardo! Bem-vindo! Suas filhas são bem espertinhas, heim?! Recheio de torta de chocolate... até eu que sou mais boba!! hehehehe E que torta é essa, heim?! Heim?!
Sabe, isso acontece comigo com torta de limão... enquanto espero a massa assar, fico 'beliscando' o recheio... mas tenho de me controlar... senão, tenho de comer torta com recheio de massa!! hehehe
.
Bjs a todos!

Hugo Zanardi disse...

Onde vai parar nossa sociedade mesmo??? não raspar a massa do bolo deveria dar cadeia... sem playgronund por 1 mês!