segunda-feira, 7 de março de 2011

Top 5: como dizer, sem dizer, que seu interlocutor está com o hálito vencido



1º Proponha um brinde - coisa mais desagradável é conversar com alguém cujo hálito causa engulhos, não?! Pior do que isso é encontrar uma maneira sutil de avisar o coitado sem que ambos caiam mortos de vergonha. Talvez, uma saída, não exatamente sutil, mas muito eficiente seja propor um brinde: 'Vamos brindar?!' 'Brindar? A quê?!' 'Ah, sei lá, à vida, ao Sol, ao vento, à queda da ditadura no Egito...' 'Ok, ok... vou pedir champagne' 'NÃO!' 'Prefere rizante?' 'Listerine!'. Se a pessoa não sacar, desenhe!

2º Ofereça uma balinha ou duas - o contexto não contribui para o pedido acima? Lance mão de um artifício baratíssimo, simplíssimo, não muito duradouro, mas melhor do que nada! A boa e velha balinha de hortelã. Sim, aquela que está esquecidinha no fundo da bolsa ou do bolso: 'Aceita uma balinha?' 'Não, obrigado/a!' 'Aceita sim, vai!' 'Acabei de escovar os dentes!' (medo!) 'Eu insisto!' 'Não mesmo' 'Eu imploro!'. Legal é entender a dica e aceitar de primeira.

3º Proponha jogar adivinhação - há casos, todavia, que nem mesmo uma balinha de Pinho Sol resolveria. Exemplo? Cebola! 'Comeu cebola no almoço?' 'ãããã... nã-não!' 'Comeu sim!'. A negativa não colou? Pra que negar aquilo que está tão evidente? Se seu interlocutor comeu cebola, não há Cristo, muito menos pasta de dente que seja capaz de minizar, muito menos de eliminar, o odor fétido provocado por essa iguaria - que na minha modesta opinião, nem deveria ser considerada comestível. Depois de uma afirmação dessas, não tem o que dizer... aliás, espera-se que o comedor de cebolas não diga nada, mais nada... nas próximas 24 horas - prazo mínimo para diminuição dos efeitos no hálito.

4º Dê uma dica - vizualize a cena: no meio de uma conversa alguém pergunta: 'Acordou agora?'. Há aqui duas possibilidades que levaram a pessoa a fazer tal pergunta: cara de sono ou bafo de onça. Para que não reste dúvidas, ressalte que a carinha está boa, não parece que acabou de acordar. Depois dessa, só resta a pessoa se mancar que seu hálito não está dos melhores.

5º Faça seu corpo falar - a linguagem corporal pode, em certas ocasiões, ser bem mais enfática do que qualquer discurso, pois não?! Pois então, se o seu interlocutor não aceitou o brinde de Listerine, não curte balinhas, insiste que não comeu cebola (ah, vá!), tem certeza que está com cara, e não hálito, de quem acabou de acordar e insiste em conversar, assim, beeeem de pertinho, quase te contando um segredo, parta para ação física: afaste-o com um leve empurrão, caso ele não entenda, saia correndo... não há mensagem mais clara do que essa!

* Dica de utilidade pública: tenha sempre um Trident consigo!

2 comentários:

Regis disse...

um dos meus maiores medos... ter mau hálito. e pior, não me avisarem...

Comunicação disse...

O equilíbrio entre dieta, exercícios e medicação é fundamental para o paciente diabético. Fique por dentro: http://bit.ly/gFT3wv #saúdenãotempreço

Siga-nos no Twitter e fique por dentro desta campanha: www.twitter.com/minsaude
Para mais informações: comunicacao@saude.gov.br ou www.formspring.me/minsaude
Obrigado,
Ministério da Saúde